sexta-feira, 17 de junho de 2011

AS DEZ ENCARNAÇÕES DE VISHNU

No decorrer dos séculos, muitos deuses têm sido identificados com Vishnu nas formas humanas e animal. Essas figuras não adquiriram o caráter de uma manifestação mas o de uma encarnação. Sempre que o mundo esteve em perigo devido às ameaças das forças do mal em sobrepujarem os deuses, Vishnu desceu do céu e encarnou-se na terra. São dez as principais encarnações (avatares) que aconteceram e que ainda acontecerão em períodos sucessivos. 

MATSYA, homem-peixe, é a primeira encarnação. Matsya tem quatro braços e, como atributos, a roda, a buzina, o bordão e a flor de lótus, assim como todos os outros Avatares.
Manu, o ancestral do gênero humano, recebeu de um peixe a missão de construir um barco, pois um dilúvio deveria inundar a terra. Quando isto se deu, a arca foi puxada por um grande peixe, levando dentro um casal de todas as espécies vivas. O peixe também salvou os Vedas das mãos do demônio Hayagriva.


KURMA, o homem tartaruga, é a segunda encarnação. Naqueles tempos, deuse e demônios viviam em constantes lutas e, em dado momento, os demônios tornaram-se tão fortes que os deuses se viram ameaçados de perder seus poderes. Foi então que Vishnu aconselhou-os a bater o oceano de leite até que virasse manteiga, de forma que o amrita (néctar da imortalidade) ficasse acumulado na tona, proporcionando aos deuses a invencibilidade. A montanha Mandara foi usada como batedeira mas, antes que ela desaparecesse no leio do oceano solidificado, Vishnu transformou-se em tartaruga para que com seu casco pudesse suportar a montanha.


VARAHA, a terceira encarnação, é um homem com cabeça de um javali. Ás vezes, é retratado só como animal. Segundo um dos mitos do Dilúvio que é, ao mesmo tempo, a história de um novo ciclo da criação, um demônio raptou a deusa da terra, Prithivi, e escondeu-a no fundo do oceano. Vishnu assumiu a forma de um javali gigante, mergulhou no oceano e lutou contra o demônio, derrotando-o. Trouxe a deusa para a superfície e ajudou-a a recuperar sua capacidade de abrigar todas as criaturas vivas, criando continentes e esculpindo montanhas.  



NARASIMHA, a quarta encarnação, é metade homem e metade leão. Um porteiro de Vishnu deixou-o enraivecido e, por isso, foi condenado a viver o resto de sua vida como um demônio. Brahma, entretanto, concedeu-lhe um benefício especial, ou seja, ele não seria ferido por qualquer arma, homem ou animal, durante o dia ou durante a noite, a céu aberto ou abrigado. Ele tornou-se tão cheio de si que começou a dificultar as vidas dos deuses. Vishnu resolveu intervir. Na forma de um homem com cabeça de leão (nem animal, nem homem), escondeu-se atrás de um dos dois pilares à entrada da morada do demônio Hiranyakasipu, agarrou-o ao crepúsculo (nem dia, nem noite) na soleira da casa (nem fora, nem dentro) e malhou-o com suas garras (desarmado).


VAMANA, a quinta encarnação, é a primeira que se apresenta com forma humana por inteira, embora tenha sido a de um anão. O neto de Hiranyakaipu, Bali, apoderou-se dos três mundos e baniu os deuses do céu. Estes pediram a ajuda de Vishnu que imaginou um plano. Aproximou-se do rei Bali disfarçado em anão, solicitando ao mesmo que lhe cedesse um terreno, medindo apenas três de suas passadas, onde ele pudesse meditar. Bali concordou e, imediatamente, o anão transformou-se no gigante Trivikrama. Uma passada cercou o céu; a segunda, a terra, e, quando percebeu que a terceira iria ceercar o interior da terra, Bali cedeu e pediu auxílio a Vishnu que o empurrou para lá, tornando-o rei dessas paragens. Vamana é retratado com dois braços, carregando um guarda-sol e, por vezes, um jarro de água e/ou um livro. Seu cabelo é longo, geralmente preso no alto da cabeça, e suas vestimentas consistem de uma tanga ou de uma pele de antílope.


PARASHURAMA,  ou seja, Rama com um machado, é a sexta encarnação. Dessa vez, Vishnu assume forma humana total. A história de Parashurama data da época do conflito prolongado existente entre as duas castas mais altas: a dos sacerdotes ou brâmanes e a dos guerreiros ou xátrias. O sacerdote Jamadagnya tinha uma vaca que podia satisfazer pedidos. O rei, que cobiçava o animal a qualquer preço, roubou-o. Como desforra, Parashurama, o filho do sacerdote, assassinou o rei que, por sua vez, foi vingado por seu filho, que matou o sacerdote. O episódio resultou em uma terrível guerra entre Parashurama, o brâmane, e os xátrias a qual, após vinte e uma batalhas, culminou com a vitória de Parashurama. O jovem saceerdote é retratado com duas ou quatro mãos. Tem o cabelo preso como um asceta. Em uma das mãos sempre leva o machado de guerra e nas outras, quando possível, espada, arco e flechas.



RAMA, também conhecido por Ramachandra, é a sétima encarnação. Retratado como um jovem rei com dois braços, levando sempre consigo arco e flechas, está frequentemente acompanhado da esposa, Sita (uma encarnação de Lakshimi). É o herói da obra épica Ramayana. Ele e Sita são vistos como símbolos da incorruptibilidade, da honestidade, da lealdade e da docilidade. Tornaram-se o tema de inúmeras peças, danças e, ultimamente, até de filmes e histórias em quadrinhos.




KRISHNA, a oitava encarnação de Vishnu, é considerada como a mais importante, sendo adorada por milhões de pessoas como a de um deus por legítimo direito. o nome Krishna já era encontrado nos Upanishads. Mais tarde surgem no Mahabharata histórias detalhadas sobre o herói Krishna. Os Purunas, especialmente o Bhagavata Puruna, contêm um relato exaustivo da vida de Krishna, dividido em inúmeros contos pitorescos que falam de sua força excepcional. Krishna tornou-se um belo rapaz e, por algum tempo, dedicou-se, alegremente, aos folguedos com as gopis, meninas que tomavam conta das vacas. Nas noites de outrono ele as encantava com sua flauta maravilhosa e dançava com elas ao luar. Radha é a mais importante das esposas de Krishna. O amor entre eles e a devoção de Radha, tornaram-se com o tempo uma alegoria para o amor entre o deus Krishna e seus seguidores. Krishna e Radha incorpora o princípio tântrico dos dois aspectos do divino (masculino e feminino) que, juntos formam o Uno. Além das ilustrações de Krishna como criança, o deus é retratado de muitas outra maneiras. Sua pele, na maioria das vezes, é azul. Geralmente sua perna direita está cruzada diante da esquerda, com os dedos dos pés tocando o chão. Da mesma forma, há outras dançando sobre as muitas cabeças da serpente Kaliya após tê-la derrotado. Em outra, ele monta Garuda. E as duas representações mais conhecidas são as de Krishna com Arjuna, em sua carruagem e a de Krishna, jovem tocando flauta.



BUDA, é tido no Hinduísmo como a nona encarnação de Vishnu, a qual data do período em que o Budismo ganhou uma maior popularidade, particularmente entre as castas inferiores. Personificado em Buda, pregou uma nova doutrina, ensinando que todos os homens poderiam livrar-se da roda do renascimento através de atitudes interiores corretas e, desde então, esses conceitos foram se introduzinhdo no Hinduísmo. Buda está sentado em um pedestal de lótus, absorto em profunda meditação. Tem, como característica, o cabelo curto, crespo, com um birote no alto, e os lóbulos das orelhas são longos (assim se mostram em todas as manifestações de Buda). Sua vestimenta amarela é simples e ele não usa qualquer adorno.




KALKI, é a última encarnação, a qual ainda não aconteceu na terra. Ao findar-se a presente era de Kali, a humanidade será envolvida pelas trevas, os valores morais desaparecerão, a confusão e o caos estarão generalizados. Será, então, a hora de Vishnu voltar na forma de Kalki, brilhando como um cometa no céu para, com a restauração do Dharma, a lei da justiça, salvar a raça humana. Uma nova era terá lugar, prometendo um período de pureza e de paz, e Kalki retornará ao céu.



Fonte: O Livro das Imagens Hinduístas de Eva Rudy Jansen.

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...